Dica de Qi Gong - Movimento da Respiração da Coluna auxilia na Desobstrução articular - FACULDADE EBRAMEC

  • 11 2662-1713
  •  
  • 11 97504-9170

Dica de Qi Gong – Movimento da Respiração da Coluna auxilia na Desobstrução articular

Dica de Qi Gong – Movimento da Respiração da Coluna auxilia na Desobstrução articular

Postura fechada: Flexione a coluna cervical, torácica e lombar, e o quadril ( báscula posterior). Aduza os ombros, flexione e supine os cotovelos adotando uma postura bem fechada como se fosse uma tartaruga e mantenha as mãos fechadas.

 

Postura aberta: hiperestenda (um pouco) a coluna cervical, torácica e lombar e o quadril (báscula anterior). Abduza os ombros, flexione 90 graus e prone os cotovelos e mantenha as mãos fechadas.

Cuidado com a coluna cervical. Ela acompanha o movimento da coluna como um todo, e não pode exceder na flexão ou hipertensão.

O movimento é a troca dessas posturas, sem interrupção. Inspire fazendo a postura aberta e expire realizando a postura fechada. Realize os movimentos de forma suave, se musar força muscular.

 

 

Case do Movimento da Respiração da Coluna

 

 Aprendi a Respiração da Coluna com Wilbert Wils. Tive uma experiência muito interessante com este movimento com um amigo da academia. RPTG estava fazendo um exercício chamado levantamento terra na academia, e quando levantou a barra, alguém o chamou. Ele olhou e sintiu um incômodo. Mesmo assim, ao invés de largar a barra, ele abaixou, voltando à posição inicial de execução do movimento, e ouviu um estalo, que veio com uma dor forte. No dia 7 de dezembro de 2011, foi realizado uma ressonância magnética da coluna lombo-sacral, que acusaram ” Focos de hipersinal em T2 no ânulo fibroso discais em situação posterior nos níveis T11-T12, T12-L1, compatíveis com foco de rotura/fissura no ànulo fibroso discal, associado a protusões; protusões pósterocentrais dos discos invertebrados T11-T12, T12-L1, que obliteram a gordura epidural anterior, determinando moderada comprenssão sobre a face ventral do saco dural; nódulos de Schmorl nos platôs de T11, T12, L1; Injuria do ligamento interespinhoso de L4-L5. ” Em outubro de 2012, acabamos conversando sobre seu problema. Ele já estava em fase final de fisioterapia, liberado pelo médico para treinar mais intensamente, mas com cuidado e segurando as cargas, já que sempre treinou passando um pouco dos limites de seu corpo, e tomando de medicamentos fortíssimos para amenizar a dor que estava aprendendo a conviver. É interessante relatar que RPSG era cético em relação à Qi e quando propus o trabalho ficou deveras desconfiado. A proposta era o seguinte: faz o Movimento Respiração da Coluna uma semana três vezes por dia. Ao acordar e ao dormir, e escolhe um horário no meio do dia para fazer mais uma. Se nada mudar, você perdeu um pouco do seu tempo. Se melhorar alguma coisa, você faz isso por três meses sem parar. E fechamos o acordo. Sinceramente achei que ele não iria fazer, até mesmo pela desconfiança que me demonstrou. Ele iniciou o trabalho no dia 3 de outubro de 2012. No terceiro dia começou a sentir aquecimento e vermelhidão nos pés. A região que me monstrou das alterações são regiões reflexas que representam a coluna vertebral ( de cervical à região sacral). No quinto dia, começou a sentir diminuição sensível na dor. Mesmo tomando os medicamentos as dores eram intensas, e inclusive seu sono que já não era bom, piorou por causa das dores, pois ao mexer acordava. No 27° dia, as orelhas começaram a aquecer, nas zonas reflexas da coluna. No dia 10 de novembro não teve mais dor. Após seis dias, seu sono estava regularizado e no dia 21 de dezembro seu sistema intestinal estava um relógio. Ele me relatou também que estava lidando melhr com suas emoções. É interessante relatar, que não havia perspectiva de ausência de dor para o seu caso e que ao realizar um ultrasom na clínica de seu médico, o mesmo não achou as protusões acusadas na ressonância e por isso disse não haver explicação científica para pedir uma nova ressonância, já que não havia mais problema local. Para tornar este trabalho científico, talvez haja a necessidade de uma segunda ressonância, mas acredito que os relatos apresentados já demonstrem muita coisa.

 

Algumas explicações podem explicar os resultados alcançados. Este movimento estimula os canais Du Mai, Ren Mai e Shou Tai Yang Xiao Chang Jing. E por isso os efeitos na coluna, e na regulação do sono e no funcionamento do sistema digestivo e intestinal.

 

Aproveitei que um amigo foi para a Tailândia fazer um curso de Chi Nei Tsang com o mestre Mantak Chia para lhe pedir algumas explicações adicionais sobre este exercício. E as explicações que Paulo Henrique Pereira Gonçalves ( Acupunturista, professor da EBRAMEC, Colaborador da Revista Medicina Chinesa Brasil, tradutor e revisor dos livros da Editora Brasileira de Medicina Chinesa, colaborador do projeto Medicina Chinesa Clássica, estudante do sistema Healing Tao desde os 12 anos, instrutor Associado do Unviersal Healing  Tao/2013, praticante de Chi Nei Tsang) me passou foram as seguintes:

 ” ao fazer essa flexão e extensão cervical e lombar, você impulsiona mais fluido espinal do cérebro para o sacro e do sacro para o cérebro, e isso teria um efeito neurológico/nervoso geral/sistêmico. Com isso você tem um impulso nervoso maior que ajudaria a regular o sistema endócrino e visceral como um todo também. Fora isso, o que ele propõe é que o sacro representa uma conjunção de todos os feixes nervosos da espinha, e quando você faz esse exercício, você começa a liberar e mobilizar a articulação sacro-ilíaca (principalmente junto com alguns exercícios de mobilização do cóccix) e como o sacro é a base de apoio da coluna, quando você causa um relaxamento/extensão/alongamento dessa área, você beneficia a coluna como um todo. Fora que associado com a respiração abdonimal, também funciona como uma massagem abdonimal, mas boa parte disso ele também enfatiza como uma forma de fazer o Qi eo Jing transformado subirem para a cabeça para nutrir o cérebro. Na verdade ele parte de uma premissa bem simples: toda doença/distúrbio começa a partir do momento que você não tem um bom fluxo de Qi/Xue na área, e esse mal fluxo normalmente é resultante de uma falta de mobilização local. Então ao fazer isso, você causa um alongamento e extensão na coluna e permite uma mobilização maior de Qi/Xue para regenerar a área. Tem umas questões que ele levanta também sobre células troncos e afins, mas isso é meio que agregado;dependente dessa teoria do Qi/Xue.” 

 Fonte: Técnicas de Desbloqueio Articular, Captação de Qi (Zhan Zhuang) e Armazenamento de Qi. Coleção Artes Corporais Chinesas, Volume 2 do autor Paulo Minoru Minazaki Junior e dos revisores Dr. Reginaldo de Carvalho Silva Filho e Mestre Gutembergue Livramento